Contação de história: benefícios para o desenvolvimento infantil!

Muitas aventuras se escondem dentro do universo da literatura infantil. Mundos são criados, personagens são construídos com doses incríveis de imaginação. E tudo isso ainda tem espaço para modificar a realidade? Bem, a realidade é plástica e repleta de possibilidades.

É inegável que os livros infantis têm muito a nos ensinar no dia a dia, principalmente às crianças. Com tons mais leves, com eles é possível não só trazer os pequenos para dentro de universos incríveis e estimulá-los a alçarem a imaginação, mas também são capazes de ensinar as sutilezas e propósitos da vida.

Conceitos abstratos como vida, morte, angústia, dor, depressão e saudade são constantemente revisitados nas histórias infantis a fim de mostrar para a criançada a leveza e peso da existência de forma descontraída e sutil.

Mas, bem mais que a leitura, um livro pode ganhar maior expressividade com contações de histórias, uma vez que dentro delas pode-se manipular objetos, utilizar fantasias e até contar com grandes performances artísticas para levar a mensagem até os pequenos.

Sendo assim, no post de hoje trazemos até você os benefícios da contação de história para a formação e desenvolvimento infantil. E o melhor, damos a você algumas dicas para se aventurar por contações lúdicas e divertidas. Vem com a gente!

Afinal, o que é contação de histórias?

Diferentemente da leitura convencional de um livro, onde passamos os olhos sobre as linhas e lemos exatamente a narrativa como os fatos se apresentam no material, a contação de história possui uma característica mais lúdica.

Para entendê-la melhor, só precisamos voltar ao passado e lembrar das narrativas orais que passavam de geração em geração em um movimento de assimilação, perda e recriação.

Na boca dos antigos as histórias ganhavam maior expressividade sinestésica, uma vez que as nossas atenções eram mobilizadas ao despertar de múltiplas sensações gustativas, táteis, auditivas, visuais e olfativas.

Todos gestos e expressões ganhavam significados grandiosos e aquilo que não seguia um script passava por uma improvisação. Hoje, quando falamos em contação de histórias, não é diferente! O contador busca a atenção do público através de uma atividade sensorial, seja pela manipulação de objetos ou modulação de sua voz para a interpretação de cada personagem.

E quem sai ganhando mais são os pequenos! O estímulo sensorial é o suficiente não só para o foco de atenção, que muitas vezes não se consegue ter mediante uma simples leitura – afinal, as cotações tendem a ser repletas de sentimentos, transformando os conceitos em emoções reais e palpáveis.

Mulher em frente crianças mostrando desenho em papel

Tudo isso só é possível porque, antes de contar uma história, o contador faz uma leitura no texto base, mas o transforma pensando sempre nos propósitos de sua performance final e nos sentimentos que quer passar às crianças.

E nesse movimento, a contação de história pode criar a vontade nos pequenos de estarem mais ligados com o texto original, sendo uma forma inicial de introspecção no mundo da leitura, afinal, talvez não o fizessem por si mesmos se apenas vissem o livro na estante.

4 benefícios da contação de histórias

Como no geral as contações acontecem no ambiente escolar, estão intimamente ligadas à educação infantil. Já pautamos acima alguns benefícios da contação de histórias, mas talvez esteja no momento de pautar algumas vantagens mais contundentes na vida e desenvolvimento dos pequenos.

1. Apreensão de ideias abstratas

Durante o desenvolvimento infantil um dos conhecimentos mais difíceis de se ensinar e aprender é o abstrato. Já é muito difícil para os adultos assimilarem o sentimento de perda, luto e dor… imagina para os pequenos!

Na literatura infantil, cada vez mais encontramos formas descontraídas e leves de tratar de conceitos de difícil compreensão. E a contação de histórias pode criar formas contundentes de comunicar as abstrações a partir da correlação.

Como, no geral, o contador utiliza objetos do cotidiano para representar personagens e seus sentimentos, é mais fácil de compreender um conceito abstrato quando ele ganha a caracterização em um objeto que adquire anima pela voz e gestos do contador.

2. Incentivo à leitura

Segundo estudos, o Brasil perdeu em 4 anos cerca de 4,6 milhões de leitores, o que só nos mostra que a leitura não é uma prática essencial na vida de muitos brasileiros.

Estabelecida a aculturação de um país onde não se incentiva a leitura, dificilmente as crianças pegarão em um livro por espontânea vontade, mesmo em frequência escolar.

Bebê sentado no chão com livro aberto em seu colo

Mas, com a contação de história, é notório como é possível instigar nos pequenos a vontade de ler o texto original. A performance artística e diferenciada do contador pode levar as crianças a construírem um senso mais crítico sobre o mundo e dar um passo à frente no mundo dos livros.

3. Construção do imaginário

Segundo estudos, a imaginação educa e por isso é sem dúvidas uma competência muito importante para qualquer ser humano, não só por ser capaz de arquitetar os nossos sonhos, mas porque ela nos permite construir a própria realidade.

Aliás, por meio da imaginação e criatividade infantil os pequenos podem compreender melhor o seu papel e espaço social. Por isso, as contações podem ser chaves para estimular o imaginário infantil, que é a base para a aprendizagem das diversas formas de relações interpessoais e para a explicação do mundo.

4. Educação emocional

Em uma sociedade carente de educação emocional, ter uma ferramenta capaz de nos lembrar que somos humanos é essencial. A contação de história é uma artífice da educação emocional, porque por meio dela não só aprendemos, mas experienciamos sentimentos únicos.

Em cada história, as crianças são levadas a sentimentos profundos, mas humanos. É fácil notar como uma contação pode mexer e despertar o emocional infantil. Basta observar os olhinhos encantados, alegres, tristonhos, marejados, ardentes e apaixonados durante a ação da narrativa.

Como começar a contar histórias

Você provavelmente já faz isso constantemente, quando conta ao seu filho como foi o seu dia de trabalho, tentando mantê-lo interessado nos pormenores. E a verdade é que não existe uma certificação para ser um contador de histórias.

Claro que os grandes profissionais que fazem espetáculos públicos já estão há anos na prática e muitos deles possuem o curso de pedagogia, mas os próprios pais podem começar a contar histórias para os pequenos sem grandes recursos, viu?

Considerando que buscamos dar asas à imaginação, não é necessário que se busque performances dignas de um Oscar, mas tão somente que você estimule as emoções certas nos pequenos emprestando a sua voz e seu corpo para a narrativa.

Crianças sorridentes, sentadas e olhando para cima como se estivessem escutando alguém

Uma forma fácil de assimilar a história para se manter independente do livro é dividindo a história em atos importantes e ensaiando cada ato. Se decidir fazer a manipulação de objetos, sugerimos que comece com objetos do dia a dia.

Por exemplo, você pode utilizar um leque para representar o vento, um chapéu para representar um personagem masculino, uma bolsa o feminino, um suporte de porta te dá uma cobra e uma sombrinha, uma bailarina. Isso tudo vai depender da temática e do teor da narrativa.

O essencial é colocar a verdade na hora da contação para comunicar o essencial da história. No final, perceberá que, mais do que o que você conta, o que importa é como você conta.

Se gostou das nossas dicas e quer aprender mais sobre o mundo infantil, confira as nossas publicações aqui no blog. Temos muitas dicas divertidas para educar os pequenos de forma lúdica.

Até mais!

Deixe um comentário